17/05/2016

Cinquentenário: Sobre a primeira turma de Matemática, por Nícia Milan Passafaro.

Matemática – 1ª Turma (texto de Nícia Milan Passafaro)
 
Final de maio de 1967
Ginásio Municipal de Esporte “Antonio de Castilho Braga” em Penápolis, palco do primeiro vestibular para o ingresso a um dos cinco cursos oferecidos pela recém criada Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Penápolis, primeira do oeste paulista a oferecer curso de Licenciatura em Matemática.
Lá estava eu, entre aproximadamente 400 candidatos, concorrendo a uma das 40 vagas de Matemática. Consegui, juntamente com colegas de diversas cidades: Jales, Fernandópolis, Rancharia, Osvaldo Cruz, Araçatuba, Birigui, Braúna, Vera Cruz, Guararapes, Promissão etc.
A maioria era casada e com filhos. Muitos já trabalhavam como professores da matéria, com a autorização especial do MEC, pois faltavam licenciados. Outros, como eu, tínhamos feito o Curso Normal cujo ensino de matemática não era aprofundado.
 
Segunda quinzena de junho de 1967
Início das aulas em prédio adaptado, onde hoje funciona o Museu do Sol.
Havia aulas todos os dias, inclusive aos sábados, o dia todo, e aos domingos no período da manhã, para assim cumprir a carga horária exigida por lei, pois o ano letivo começou com o atraso de três meses.
Correria. Estradas. Insegurança. Ansiedade. Cansaço. O eminente professor Doutor em Cálculo Diferencial e Integral que vinha de Rio Preto, inconformado com o despreparo da maioria dos alunos chamava nossa turma de “Normalão”. Mesmo assim alguns conseguiram a aprovação em sua matéria, inclusive eu, normalista.
Tivemos professores memoráveis: Fernando de Almeida Prado, de Araçatuba; seu irmão Lineu, de Jaú; professor Karim, de São Paulo e os queridos Fays, Adalgisa, Celestino, Carlos Diniz, Carlos Wanderley. Muitos doutores palestrantes vinham das grandes Universidades do estado compartilhar conosco o seu saber. Há que se acrescentar Osvaldo Sangiorgi, conhecido autor de livros didáticos de Matemática e, que por um bom tempo nos agraciou com suas magníficas aulas.
 
Dezembro de 1969
Jantar com os colegas, professores e familiares na antiga Padaria Vitória para comemorar o término do curso.
 
Primeiro semestre de 1970
Cerimônia de juramento e colação de grau na sala do Diretor da Faculdade, que já funcionava em prédio próprio, e onde se encontra até hoje. Não tivemos tempo e energia para organizar uma festa de formatura convencional.
 
Maio 2016
Escrevi este breve depoimento por considerar a importância dos momentos que vivi na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Penápolis. Essa vivência só foi possível graças a Fundação Educacional de Penápolis – FUNEPE-, que completa 50 anos neste mês de maio e é a mantenedora da Faculdade instalada um ano depois, em junho de 1967.
Felicitações a todas as pessoas que contribuíram para o sucesso dessas entidades, e em especial aos abnegados penapolenses liderados pelo prefeito municipal, senhor Edison J. Geraissate, que muito lutaram pela criação da escola, orgulho de Penápolis.
 
Nícia Milan Passafaro
Ex-aluna e ex-professora de Álgebra da Faculdade de Filosofia Ciência e Letras de Penápolis.